Gustavo Lopes

Coluna do Gustavo Lopes

Veja todas as colunas

Villa na Segundona do Mineiro?

Atacante Pinguim, do Villa Nova, foi escalado de forma irregular antes de cumprir a punição de quatro jogos sofrida em 2018, quando atuava pela equipe no sub-20

04/04/2019 às 08:10
Villa na Segundona do Mineiro?

O rebaixamento do Campeonato Mineiro deste ano pode ser definido pela Justiça Desportiva. Isso porque o atacante Pinguim, do Villa Nova, foi escalado de forma irregular antes de cumprir a punição de quatro jogos sofrida em 2018, quando atuava pela equipe no sub-20. Faltavam três partidas.

Há duas teses jus-desportivas preponderantes:

a) VILLA NA 1ª DIVISÃO
O CBJD estabelece em seu art. 165, §2º, que a pretensão punitiva da Procuradoria é de 60 dias. Assim, considerando que o atleta atuou de forma irregular nos dias 24/01 contra o América e 27/01 contra o Guarani, a pretensão da Procuradoria teria expirado em 28/01.

b) GUARANI NA 1ª DIVISÃO
Por outro lado, há entendimento de que o atleta estaria irregular enquanto não tivesse cumprido os quatro jogos de suspensão. Dessa forma, o atleta teria cumprido a punição automática em 2018, e as demais nos dias 20/01 contra o Tupynambás, 30/01 contra o Tupi e 16/02 contra a Tombense. Ou seja, o delito foi continuado e se perpetuou até o cumprimento da quarta partida. Neste caso, o prazo de contagem da prescrição iniciar-se-ia em 16/02 e, portanto, o Villa perderia pontos e seria rebaixado.

Debates entre estudiosos e operadores do direito desportivo tem apontado entendimento direcionado para a tese do rebaixamento do Villa.

Não obstante isso, eu possuo entendimento diverso no sentido de que a pretensão punitiva está prescrita.

Isso porque o cumprimento da penalidade se dá nas partidas seguintes e não de forma fracionada. Tanto é verdade que o atleta escalado de forma irregular traz penalidades para o clube.

O atleta punido que entra em campo e é relacionado para partida que não podia atuar não comete infração, mas traz nova penalidade para o seu clube.

Neste caso, como o atleta disputou dois jogos que não poderia jogar, havendo denúncia e condenação, os jogos são tidos como perdidos pelo seu clube, portanto, não são contados eventuais pontos.

Nesse sentido, ao entrar em campo em situação irregular traz, na prática, para o atleta o mesmo efeito de não ter jogado, porque os pontos são perdidos.

Assim, contar-se-ia as duas partidas com atuação irregular como cumprimento da penalidade de suspensão.

Não há que se falar, ainda, em prescrição no prazo de dois anos, eis que o atleta ao entrar em campo de forma irregular traz para o seu clube uma infração muito mais grave do que a sofrida por ele e tem, assim, sua pena absorvida pela mais gravosa.

A tudo isso somam-se dois princípios basilares do Direito Desportivo, o “pro competicione” e o da “estabilidade das competições”.

Em outras palavras, sempre que possível, as competições devem ter os resultados de campo preservados, bem como devem ser o mais estáveis possível impedindo-se, por exemplo, o retorno de fases.

O caso em comento é mais fácil de solucionar porque a repercussão somente virá em 2020. Entretanto, se pudesse haver alteração de colocação do 8º lugar, o Campeonato Mineiro teria que ser suspenso.

Esta suspensão dar-se-ia porque a Procuradoria ou os interessados não agiram a tempo de evitar interferência no campeonato.

Vale destacar, ainda, que o CBJD traz prazos extremamente curtos justamente para que as competições não sejam afetadas. E esse “mens legis” (espírito da lei) deve ser levado em consideração.

Finalmente, urge destacar a aplicação por analogia de um Princípio do Direito Penal, qual seja, “in dubio pro reu”. Portanto, se houver dúvida quanto ao início do prazo prescricional, deve ser adotado o mais benéfico para o réu.

Foto: Divulgação/Villa Nova

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link